segunda-feira, 18 de julho de 2011

O objetivo das Cruzadas

      A expansão do islamismo pelas armas fez com que os árabes ampliassem seu domínio
comercial sobre o Mediterrâneo, onde, segundo afirmava um historiador muçulmano, 'os
cristãos não conseguem fazer flutuar sequer uma tábua'. Essa observação dá a exata medida
da força muçulmana naquela região até o início das Cruzadas. Os árabes conquistaram todo
o Império Persa, o Mediterrâneo, o Norte da África e a Península Ibérica.
O Império Bizantino era o outro objetivo dos movimentos cruzadistas. A origem de
Bizâncio remonta a fins do século IV, quando ocorreu a divisão do Império Romano: o
Oriental, com capital em Constantinopla (antiga Bizâncio), e o Ocidental, que logo chegaria
ao fim. Bizâncio se transformou no centro de um poderoso Estado; suas origens romanas
foram gradativamente abandonadas, vindo a predominar cultura grega e asiática.
Economicamente, o Império se baseava nas atividades urbanas, como comércio e
manufaturas. Constantinopla era a intermediária dos produtos comerciais entre o Oriente e
o Ocidente. Através de embarcações bizantinas, produtos como especiarias (cravo e
canela), perfumes, açúcar, madeiras, pedras preciosas e ouro, vindos da Ásia pelo Mar
Negro, chegavam ao Mediterrâneo e eram redistribuídos para a Europa Ocidental pelas
cidades italianas, especialmente Veneza.

Tanto o Papa quanto o Patriarca (chefe da Igreja bizantina) desejavam controlar a
arrecadação financeira do comércio nas regiões italianas. Essa disputa, entre outros fatores,
levou à ruptura, em 1054, entre Roma (capital do cristianismo ocidental) e Constantinopla
(capital do cristianismo oriental), que recebeu o nome de Cisma (separação) do Oriente,
dando origem a duas igrejas: a Católica Apostólica Ortodoxa e a Católica Apostólica
Romana.
Conseqüências das Cruzadas
O movimento das Cruzadas, a intensificação da atividade mercantil e o renascimento das
cidades tiveram as seguintes conseqüências:
a) a abertura do Mediterrâneo ao controle europeu, o que beneficiou principalmente as
cidades italianas (Veneza, Gênova e Florença), que passaram a exercer o domínio
comercial na Europa, com a eliminação de Constantinopla como intermediária das
mercadorias do Oriente;
b) o abastecimento de madeira, peles, couros, especiarias, açúcar, ouro, prata, perfumes,
marfim - vindos do Oriente Médio e da Ásia, principalmente de uma região conhecida
como Índia - passou a ser freqüente na Europa, impulsionando definitivamente o seu
desenvolvimento comercial;

c) o contato com outros povos introduziu no continente europeu novas técnicas de
navegação, além dos algarismos arábicos (1, 2, 3, ...), que passaram a ser utilizados em
larga escala, facilitando os cálculos;
d) o crescimento de vilas e cidades que se tornavam centros de comércio, atraindo servos
do campo para a cidade;
e) o desenvolvimento de uma nova classe social, que não era de proprietários de terras nem
de trabalhadores servis, mas dedicava-se ao artesanato e ao comércio: a burguesia (os
habitantes dos burgos).
Crise: terra ou dinheiro?
Se o século XIII representou para a Europa um lento mas seguro desenvolvimento
mercantil, o século XIV foi um período de crises sucessivas. Os servos, atraídos pelas
atividades mercantis, transferiram-se gradativamente para as cidades, gerando falta de mãode-
obra nos campos. A agricultura estagnara devido às limitações das técnicas de produção.
Mais do que isso, o uso contínuo e excessivo das terras provocava a diminuição da
produtividade agrária. Os resultados não podiam ser outros: fome, desemprego, revoltas,
epidemias.
Devido a todas essas dificuldades, o século XII marcou o início da desarticulação da
forma de organização feudal. A sociedade passou por uma crise geral, de repercussões
irreversíveis, cujas causas podemos assim resumir:
a) desequilíbrio entre produção agrária e consumo de mercadorias, gerado pela
incapacidade de aumentar a produção;
b) aumento da fome, ocasionando crescimento da mortalidade;
c) diminuição populacional agravada pelas pestes e epidemias (na metade do século XIV,
uma epidemia de peste bubônica, conhecida como a "peste negra", dizimou um terço da
população européia);
d) em conseqüência, diminuição do mercado consumidor e da mão-de-obra;

e) freqüência de guerras entre as regiões européias, como a dos Cem Anos (1337-1453),
entre França e Inglaterra, e revoltas camponesas (servos), como a de 1381, na Inglaterra,
gerando a desorganização da produção e do comércio, o declínio populacional e o
crescimento dos impostos para atender aos gastos militares.
Como conseqüências dessa crise geral do feudalismo, temos:
a) o enfraquecimento dos senhores que formavam as classes nobres, provocado por
disputas econômicas;
b) o crescimento da burguesia e o fortalecimento de uma organização política
centralizadora para melhor explorar o comércio;
c) a associação de interesses mercantis com a centralização do poder provocando o apoio
da burguesia aos reis (nobres mais ricos e vencedores das guerras entre senhores);
d) a nobreza enfraquecida pelas sucessivas lutas lentamente obrigada a aceitar sua
integração ao Estado Nacional criado pelo apoio da burguesia mercantil aos reis.
Do século XI ao XIII, a riqueza de um nobre media-se pela quantidade de terras e servos
em suas propriedades. Já no século XIV, a quantidade de terras ainda era importante, mas
havia necessidade de dinheiro, que poderia ser obtido através de transações comerciais ou
da arrecadação de impostos. Para aumentar sua riqueza, alguns senhores começaram a se
associar com os burgueses que dominavam o comércio da região, desenvolvendo-se assim
um território demarcado pelas atividades comerciais e produção agrícola. Nobreza
enfraquecida, crescimento econômico da burguesia, desenvolvimento do reino e
centralização do poder nas mãos dos reis foram as bases para o surgimento do Estado
Nacional Moderno, dentre os quais o primeiro a se consolidar foi Portugal.
468 - A Península Ibérica
O nascimento de Portugal



A formação do Estado Nacional de Portugal está intimamente ligada à história da
formação da Espanha. Os pequenos reinos cristãos visigóticos formados na Península
Ibérica (Espanha e Portugal) foram alvo, durante séculos, das invasões muçulmanas. A
unificação desses reinos relaciona-se à reconquista dos territórios dominados pelos
muçulmanos.
No século VIII os árabes, no seu processo de expansão, controlaram a Península Ibérica,
que passou a fazer parte do grande Império Islâmico. Do século VIII ao século XV, o
modelo da economia árabe estimulou o comércio, intensificando a vida urbana, e
permitindo o desenvolvimento de uma ativa burguesia composta por judeus, árabes,
muladis (cristãos convertidos à religião islâmica) e moçárabes (cristãos que se dedicavam à
atividade mercantil, aceitando a dominação muçulmana).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário